terça-feira, 6 de maio de 2008

de divagar, quase... parou.


pegou a camisa , a camisa amarela, botou fogo nela, queimou toda ela.
cantou uma bossa, uma das novas, de tão noiva, tão pouco filha, tão bela velha.
quis sorte de um trevo, de não mais que quatro folhas, não mais que três trevos, e não menos que quatro ou três soluços de acreditar.
leu no calendário verde, o dia do feriado, um dia cinza num feriado.

no meio da semana tinha uma quarta-feira.
divagou no vagão do trem treze, das onze horas, sobre a banda de marchinhas coro dos com dentes, e pegou no sono sorrindo um sorriso na chapa, um sorriso sem culpa.
pediu a brigitte, a brigitte bardot, que não envelheça, todos os nossos sonhos de namorar com ela.
e da marylin monroe, comprou o livro de retratos sensuais. ainda estava a enamorar com poses dela.

2 comentários:

Luana Lia disse...

Ana, menina, menina Ana!
Espiaa, blog novo da miha turma e mais alguns publicitários pilantras:

http://caixamarimbondos.blogspot.com/

;}

cavaliersansmerci disse...

Tentativa 7ima de comentário:

Ezra Pound uma vez disse, que a poesia para ser boa deve constar de três elementos essencias.
A Fanopéia - mesmo que não tivesses tua mente e teu roso diriam o contrário.
A Melopéia - Tem o ritmo embalado de juke-box e sua voz desfia tonalidades.
A LOGOPÈIA - Você tem logopeia. LOGOPAICA. Eu entro e saio das tuas ciladas com as palavras ("sorriso dos com dentes")